Sou feliz com o que eu faço?

Autor: Ricardo J. Botelho

Investir na carreira significa ampliar a sua capacidade de se sentir feliz com a sua profissão. Sem emoção positiva não há estímulo para aprender coisas novas e melhorar a sua performance.

Corretores de Imóveis nem sempre estão entusiasmados com a sua atividade profissional. Muitos não conseguiram sucesso em outros segmentos e viram no mercado imobiliário uma última oportunidade. Enfrentaram o curso TTI – Técnico em Transação Imobiliária, obtiveram o seu registro no CRECI – Conselho Regional de Corretores de Imóveis e estão em busca de um lugar ao sol.

A dificuldade é que esse sol que tanto se quer queima forte. Por isso, muitos desistem em meio a procura. Quais são os fatores que conduzem ao abandono da carreira, às vezes tão precocemente? A causa principal é o não atingimento de metas de vendas e a consequente remuneração que justifique o investimento no dia-a-dia do trabalho.

Investir na carreira significa ampliar a sua capacidade de se sentir feliz com a sua profissão. Sem emoção positiva não há estímulo para aprender coisas novas e melhorar a sua performance.

“Quando você coloca o seu corpo para fazer o que não gosta, é um deserviço ao espírito”, nos ensina um mestre em artesanato e homem simples, porém sábio, Helio Leites. É verdade, não pode haver resultado positivo se não colocarmos entusiasmo no que fazemos.

Para evoluir é preciso estudar, ler muito. O mundo muda a uma velocidade espantosa. Se você não acompanhar essas transformações fica difícil conquistar suas metas. O cliente hoje chega até o Corretor com muitas informações. Às vezes sabe mais que o profissional. Aquele modelo antigo de vendedor que só interage no nível do produto que vende está ultrapassado.

É necessário estar informado e ter um vasto repertório para lidar com todas as expectativas do cliente. E isso exige dedicação, muita pesquisa e, acima de tudo, uma enorme alegria de ser útil no processo de interação com o cliente.

Para que isso ocorra, você tem que ter prazer no que faz. Mas para ter prazer é preciso colher bons resultados. Afinal, o que vem primeiro: o prazer ou o bom resultado? Estamos diante do fenômeno conhecido como “efeito tostines”. Ora, sem prazer não há aprendizado e, consequentemente, inexiste evolução. Pense nisso, acione seu botão da auto-estima e bola prá frente!

Fechar Menu