O que eu quero ser quando crescer?

Autor: Ricardo J. Botelho

O que eu quero ser quando crescer?

Para ser bem sucedido na vida profissional é preciso ter prazer no que se faz.

Convido você, minha amiga e meu amigo leitor, a voltar no tempo por alguns instantes. Feche os olhos. Respire fundo. Expire, lentamente. Quero te levar de volta à infância. Você agora tem 8 anos de idade. Tente se fixar nesse tempo. Imagine sua casa, seus pais. Seus colegas de escola. De volta no tempo? Ótimo! Agora, responda: o que você quer ser quando crescer?

Quando faço esse exercício ao vivo em minhas palestras, as respostas são as mais diversas, começando por jogador de futebol para os meninos e atriz ou bailarina para as meninas, passando por médico, enfermeira, professor, engenheiro, advogado etc. Quase nunca (praticamente impossível) a resposta ser Vendedor! Por quê?

Entendo que as pessoas não veem na Venda uma profissão associada de forma positiva aos valores mais altos da sociedade. Vender, em si, está no inconsciente coletivo ligado ao ato de levar vantagem por parte daquele que vende sobre o que compra. Portanto, vender não tem o sentido de ajudar o outro a comprar, ao contrário, é percebido como uma enganação. Mentir, ludibriar, seduzir, falar o que se quer ouvir, empurrar o que não se precisa. Você pode agregar diversos outras situações negativas ao exercício da profissão. Veja os filmes e as novelas. Um personagem que vende sempre é visto de forma estereotipada, associado a alguma empulhação. Nunca está no grupo dos amigos do bem.

Nesse ambiente uma criança não sonha ser um Vendedor. Mas, então, por que temos tantos vendedores no mercado? Luiza Trajano, presidente do Magazine Luiza disse em recente entrevista que o Vendedor é alguém que não deu certo em nada e se voltou para a venda. Mas adverte: “Eu não! Sempre quis ser vendedora, desde criança”. Se você não pensa como a Luiza, o que fazer para não ser uma pessoa frustrada com sua carreira profissional?

Voltemos de novo à infância. Resgate o que você queria ser. Perceba que a profissão sonhada está relacionada ao reconhecimento público por sua contribuição para a felicidade do outro, muito mais do que o sucesso material obtido com a sua atividade. Então me diga: o que faz um Corretor de Imóvel senão atuar no campo da felicidade? Afinal, esse profissional colabora em um dos momentos mais importantes da vida humana: a escolha do lar. O lar representa um dos pilares fundamentais para a continuidade da espécie, pois ali se estrutura o ninho onde a família será constituída. Ser um Corretor de Imóvel é, portanto, contribuir para a melhoria da qualidade de vida. Além disso, ao escolher a Venda como profissão você incorpora muitas outras como:

– psicólogo: entender a alma e a mente do cliente;

– ator: desempenhar um papel no salão de venda que considero um palco onde dois atores estão atuando, você e o cliente;

– médico e enfermeiro: os clientes precisam de ajuda para tomar a melhor decisão de compra e

– professor: ensinar o cliente a comprar bem é uma das tarefas mais nobres da venda.

Fechar Menu